Delegados da Polícia Civil em processo de aposentadoria se colocam à disposição do Estado

Cerca de 400 Policiais, dentre eles delegados da Polícia Civil cearense, em processo de aposentadoria, se colocaram à disposição do Estado para enfrentarem a onda de ataques que ocorre desde as primeiras horas do corrente ano. Diante da grave situação que amedronta os cidadãos, a Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Ceará (Adepol/CE) protocolou um ofício, na terça-feira (15), no Palácio da Abolição, a fim de formalizar a vontade das autoridades em retomar os postos nas atividades de investigação à cargo da Polícia Judiciária.

Tal providência, acaso acatada pelo governo, não gerará ônus para o Estado, conquanto estes servidores já recebem mensal e integralmente seus salários, mesmo estando afastados aguardando o trâmite dos processos de aposentadoria serem finalizados. Asseguram, além disso, que estão sensíveis a uma causa maior – o bem-estar social e a manutenção da paz no seio da família cearense.

Tal medida equivale a um concurso público, sem gastos para o erário, ou seja, o estado incorporaria uma força de trabalho de cerca de 400 policiais, sem a necessidade de desembolsar nenhum recurso, porquanto todos já são formados, plenamente capacitados e com expertise de sobra para o exercício da atividade de Polícia Judiciária. Esse grupo é composto de servidores policiais com uma larga folha de serviços prestados ao Estado e experiência comprovada no enfrentamento ao crime.

Para que isso se concretize é necessário apenas que o governador Camilo Santana encaminhe a Assembléia Legislativa um projeto de lei reformulando o inciso ll do art. 3o da Lei complementar 92/2011.

 

Fonte:Robertomoreira